mãos de homem sobre notebook
autoconhecimento

Procrastinação ou preguiça: o que está te afetando?

É o fim da procrastinação e da preguiça. Você acabou de passar o dia imaginando o que faria assim que chegasse em casa. Já era pra ter feito semana passada, mas hoje com certeza será o dia, afinal, você fez até uma lista. De fato, está mais motivado e concentrado.

Quando chega em casa você resolve se sentar só por alguns minutos com o intuito de recuperar suas energias, já que o trânsito estava caótico e os clientes lhe chamaram muitas vezes durante o dia. Você lembra da lista, mas descansará só por alguns instantes. No entanto, ao olhar para o relógio, percebe que já se passaram 40 minutos. Tudo bem, afinal você vai começar agora. Resolve levantar e comer alguma coisa antes. Toma um banho para relaxar, coloca roupas confortáveis… e agora você está deitado verificando suas redes sociais.

“Não tem problema”, você repete para si. Estava cansado, a semana é corrida. Mas neste final de semana você não marcou nada, portanto tem muito tempo disponível. Sua lista está colada na porta da geladeira e você pretende liquidá-la.

Hoje é segunda novamente e o papel continua a sorrir-lhe da porta, amarelado, lembrando-lhe incessantemente das suas promessas vazias.

Se isso ocorre frequentemente com você, não vou dizer para não se preocupar, mas vou lhe dar um consolo: você não está sozinho. Graças a essa realidade, que acomete centenas de milhares de cidadãos diária e semanalmente, existem muitas reflexões sobre a situação e você acaba se deparando com muitas dicas e ideias para vencer esses males.

Agora resta a dúvida: você está trancado em um ciclo de procrastinação eterna ou está com preguiça de executar suas atividades? Criamos esse post com o propósito de te fazer refletir acerca dessa situação e liquidar o problema, de uma vez por todas. Vamos lá:

O senso comum

Hoje em dia somos quase todos procrastinadores. É socialmente aceito e até engraçado quando você diz que esta constantemente procrastinando suas tarefas. Quem nunca, certo? Em revés, afirmar que você estava com preguiça não só faz com que outros te julguem pelo sentimento, como também faz com que você mesmo se julgue pelas suas ações (ou pela falta delas), fazendo com que você tenha que enfrentar a realidade que estava evitando.

Esse senso comum a respeito dos dois conceitos fazem com que você prefira adotar a procrastinação, certo? Dessa forma, você tem uma desculpa socialmente aceita para apresentar a si e aos demais. Também faz com que você, caso realmente esteja procrastinando, aceite essa ideia com mais facilidade, permitindo que isso faça parte da sua rotina. Mas você já pensou na possibilidade de simplesmente estar com preguiça, visto que aquela tarefa nem te interessa tanto assim?

Seja como for, para agir e tomar uma atitude a respeito, é preciso identificar o problema.

Beleza, então qual é a diferença?

Procrastinação é quando você sabe que precisa executar uma ou mais atividades mas vai adiando sua realização e colocando outras atividades na frente. Assim, você se ocupa e se engana achando que está sendo produtivo em outros pontos ou apenas relaxando quando, na verdade, você até pode ter feito diversas coisas, mas não aquilo que lhe era mais importante ou necessário. Normalmente você procrastina uma tarefa com prazo, deixando para efetuar tudo nos últimos momentos. Para mim, a sensação é de um impedimento psicológico.

Por sua vez, a preguiça é quando você não se sente disposto a fazer nada. Você fica espiando as redes sociais ou vendo alguns vídeos, deixando a atividade recreativa te dominar para, depois, se culpar por não ter feito nada. Isso acontece especialmente com projetos grandes e/ou pessoais, sem prazos ou que ainda não foram iniciados e não possuem uma estruturação. Embora, claro, também possa ser com coisas simples e rápidas. Você têm muitas coisas para fazer mas opta por não fazer nada, muitas vezes porque está desanimado, sem vontade e sem energia. Para mim, a sensação é de um impedimento físico.

(Obs: independente de qual seja o seu caso, se for um problema crônico é interessante fazer avaliações psicológicas, nutricionais e corporais).

procrastinação-1

Fotos de Unsplash.

Avalie sua realidade

Agora que você refletiu sobre as diferenças entre os termos, pense. Claro que existe a possibilidade de você estar apenas procrastinando uma tarefa que logo irá concluir, mas há quanto tempo você faz isso? Como você se sente antes e depois de procrastinar? Quais são seus pensamentos? Você não precisa nem levantar para expor em uma mesa imaginária e sigilosa a realidade sobre a situação. Fazendo isso, você descobrirá se realmente está procrastinando ou se está com preguiça de exercer seus planos.

Ao chegar a uma conclusão sincera, que apenas você pode fazer, você poderá fazer seus planejamentos com mais entrega, liberando também um pouco da carga psicológica que vinha te acompanhando com essas confusões.

Tome uma atitude e seja razoável

Desculpe estragar isso para você mas é isso mesmo: você terá que tomar uma atitude. E sem procrastinar essa atitude! A dica é simples: não pense muito, apenas faça. Além de evitar o surgimento da procrastinação, não vai dar tempo da preguiça lançar seus encantamentos sobre você.

Se conheça. Descubra formas de se concentrar. Faça um alongamento, exercícios de respiração, escute sons que te ajudam a relaxar e a se concentrar, escreva sobre seu dia ou sobre os motivos de você estar fazendo esse projeto, cole seus objetivos na parede, leia um pouco, etc. Ache formas de compreender seu propósito com isso tudo, para enfim sentir mais vontade de fazer o que você quer.

Além disso, ao planejar suas atividades, seja realista. Não faça uma lista com 15 atividades se você só tem tempo hábil de concluir 3 delas. Isso certamente vai acabar te desmotivando. Aprenda a organizar a sua rotina a fim de realizar os seus projetos. Veja quanto tempo precisa para cada atividade e faça pequenos intervalos. Ver os objetivos do dia concluídos será mais motivador do que ver uma imensa lista com várias etapas incompletas. Fazer aos poucos é melhor do que nunca fazer nada.

Você admitiu que o problema é a procrastinação. E agora?

Levante e faça o que tem que ser feito. Faça metade, que seja. Mas se está com a mão na massa, ideal que já faça o máximo. Afinal, você já adiou o suficiente, não é mesmo? É possível que o prazo esteja se aproximando. Pode ser que seja um pouco tarde e você fique um pouco cansado, mas o momento é agora e com certeza isso vai te deixar muito mais motivado amanhã!

Você admitiu que o problema é a preguiça. E agora?

Tudo bem se essa foi sua conclusão. A preguiça está embutida em todo o ser humano. Nós instintivamente queremos reservar nossas energias e agimos dessa forma. Além da atividade física nos exigir energia, a atividade cerebral também consome muito das nossas reservas. Indiferente aos motivos, você precisa se sobrepor a essa força que o mantém inerte. Precisa agir sem deixar que o tempo passe enquanto você está estagnado.

Contudo, não basta acabar por aqui. É necessário ir ainda mais fundo e descobrir suas motivações.

Afinal, por que você faz isso?

Você já parou para pensar? É muito importante avaliar os motivos de você estar evitando essas tarefas. Veja se você está com algum bloqueio psicológico, se é algo que não é você que deveria fazer, se é algo que não lhe dá prazer, se é realmente isso que você quer, etc. Pode ser que você esteja enganando a si mesmo e isso faz com que você evite as tarefas, se deprimindo ao longo dos dias. Você entra em um ciclo vicioso de adquirir tarefas que você não quer, estar desmotivado para concluí-las e ficar paralisado por começar a achar que você é incapaz.

Se você gosta do que faz, se é isso que você quer, se você não está psicologicamente abalado, vá em frente! Todo mundo tem planos e ideias, mas aqueles que se diferenciam da grande massa são os que realmente executam seus planos. Se você agir, verá os resultados dos seus esforços. Com o tempo, vai descobrir que nem é tão difícil. Basta você engrenar no projeto. Para se manter motivado, assista palestras que vão te pôr em movimento e me acompanhe no instagram para ter companhia ao executar seus hobbies e projetos!

procrastinação-3

Fotos de Unsplash.

Siga em frente!

Independente do motivo da sua procrastinação ou preguiça, não pense na quantidade de trabalho que isso vai lhe dar, no tempo que você vai demorar para fazer ou na pessoa na qual você se inspira que já está muito na sua frente. Foque no sentimento que está no fundo da garrafa, na conclusão da tarefa. Antecipe os sentimentos bons e não os ruins.

Estruture seus deveres para ter uma melhor visualização não só das tarefas a serem realizadas, mas também da conclusão delas. Isso sim é que irá te alimentar no final e é no que você precisa focar. Não se vicie em pensar no pior. Treine-se para pensar no seu propósito e nos nos bons resultados que você certamente irá atingir.

Eu sei o quanto nos custa deixar de lado algo que queremos. Esse mesmo blog ficou parado por anos. Apesar de hoje ele me custar horas, trabalho e muito empenho, eu não poderia estar mais satisfeita em finalmente ter entrado nos trilhos.

Agora que você sabe o que te atrasa, você está preparado para entrar em ação! Chega de procrastinação e de preguiça.

Depois conta pra gente como foi!

«

»

6 COMMENTS

  • Ane Carol

    Achei ótima a tua postage. Tem dias que bate aquela preguiça, mas na maioria da vezes é só procrastinação acompanhada de algumas desculpas. kkk

  • Sabrina Sampaio

    Eu procrastino de mais! Mas depois que comecei a usar o Bullet Journal isso tem diminuído, ainda bem! Agora tenho que lhe dar com a preguiça, principalmente com relação a textos da faculdade.

GOSTOU DO POST? QUAL É A SUA OPINIÃO?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Pingback: Assista 4 palestras do TED que vão te pôr em movimento - Hobbietown em janeiro 15, 2020
  • Pingback: Como manter sua motivação após a virada - Hobbietown em janeiro 15, 2020
  • Pingback: Hobby: o que é e por que você deveria ter um - Hobbietown em janeiro 15, 2020
  • Pingback: Feito, não perfeito: como terminar o que começou - Hobbietown em janeiro 15, 2020