Concluído, não perfeito: como terminar o que começou

terminar o que começou 1
Photo by Štefan Štefančík on Unsplash.

Concluído, não perfeito. Esse é o mantra elaborado por Jake Parker, criador do Inktober (desafio artístico mundial que visa incentivar artistas de todo o mundo a produzir e compartilhar seus trabalhos).

Sendo um renomado ilustrador (e um ser humano), é seguro afirmar que Jake já se sentiu frustrado com seus trabalhos em diversos momentos. Inclusive atualmente, após já ter ilustrado mais de 20 livros publicados e ter trabalhado em animações como “Rio” (2011) e “Reino Escondido” (2013).

Com o intuito de sempre incentivar mais artistas (e pessoas no geral) a seguir seus objetivos, o ilustrador criou desafios, como o Inktober, citado anteriormente, e campanhas motivadoras, como “Finished, not perfect” (em tradução livre, “concluído, não perfeito“), título desta postagem.

Jake e nós, aqui do blog Hobbietown, te entendemos: terminar o que começou é um desafio e tanto. Principalmente porque nós mesmos criamos barreiras ao duvidar do nosso potencial e ao temer resultados e avaliações. Dessa forma, dedicamos essa postagem a você, que é afetado por essa infindável odisseia, com o objetivo de te incentivar a terminar o que começou.

Concluído, não perfeito

terminar o que começou 2
Photo by m0851 on Unsplash.

Frequentemente vemos pessoas lutando para concluir os projetos que começaram. Você vê isso nos seus amigos e provavelmente você também é uma dessas pessoas. Bom, vamos te contar um segredo: a corrida em direção a perfeição não tem linha de chegada. Ou seja, ela nunca chega. Sendo assim, comece a fazer o que é necessário sem aguardar pelo alinhamento dos planetas e finalize sem esperar aquele sentimento de plenitude, que indica que tudo está perfeito.

Para finalizar coisas, você precisa entender (e aceitar) que nem todo o projeto precisa ser sua obra-prima. “Feito, é melhor do que perfeito” é um um aviso que visa alertar àqueles que incessantemente buscam pela perfeição sem nunca concluir um projeto.

Esse conceito não quer dizer que está tudo bem se você fizer algo ruim, apenas quer dizer que você dá o seu melhor e termina. Se olhar ao redor, verá que não existe produto terminado que seja perfeito. Tudo possui uma falha apontada por alguém. O máximo que você pode fazer é terminar algo que é realmente bom e aceitar suas inevitáveis falhas. Afinal, você precisa ter algo para melhorar na sua próxima tentativa, não é mesmo?

Para terminar o que começou, termine

terminar o que começou 3
Photo by jose aljovin on Unsplash.

Respire e pense o que está barrando seu progresso. Você precisa trabalhar sua tolerância? O que te impede de se sentir satisfeito com o resultado alcançado? Você está sendo justo com você mesmo? Você está esperando alcançar os mesmos resultados de alguém que já trabalha com isso há anos? Existe a possibilidade de ser apenas preguiça?

Se quer um consolo, saiba que suas inspirações já se encontraram nesta mesma situação. É garantido, ainda, que elas continuem se sentindo assim a cada novo projeto; você apenas não está testemunhando o processo. Deixe-nos assegurar para você: essa luta é igual para todos que estão tentando concluir algo. É preciso gerenciamento e aprendizado para lidar com isso.

O ser humano foi condenado a viver eternamente insatisfeito. A autodúvida é incapacitante e tendemos a nos julgar por não sermos bons o suficiente, especialmente quando nos comparamos com outras pessoas. Consequentemente, isso gera um suprimento ilimitado de projetos que nunca são concluídos porque não são “perfeitos”.

Nessa jornada você irá descobrir o que funciona e o que não funciona. São os degraus que todo indivíduo deve percorrer por conta. Os erros serão cometidos e as lições aprendidas. Mescle as boas ideias e dispense as más.

Não desista!

terminar o que começou 4
Photo by Alex Jones on Unsplash.

Quantos amigos talentosos você conhece que começam projetos mas raramente os terminam? Se reparar, você verá que esses amigos sempre têm alguma reclamação para fazer, indicando que os projetos não estão perfeitos. É comum nos frustrarmos e dizer “Mas está ótimo, termine!”. Muitas pessoas olham dessa mesma forma para você.

A perfeição é cansativa e te impede de terminar o que começou. Essa busca torna a jornada entediante e frustrante. Comprometa-se a sair da sua zona de conforto e termine tudo, independente do resultado. Apenas termine tudo e qualquer coisa, mesmo que não seja perfeito.

Isso certamente não quer dizer que você nunca terá uma obra incrível; apenas que ela nunca será perfeita, nem a partir da sua visão nem da de ninguém. Se você continuar a buscar por isso, nunca terá nada concluído. Em algum ponto, você precisa ser capaz de dizer “É, não é perfeito, mas é realmente bom e muitas pessoas vão adorar”. E aí chame isso de feito.

Subsequentemente, postamos o vídeo original, que lança esse conceito. Como não há legendas disponíveis, colocamos uma tradução livre logo abaixo:

Concluído, não perfeito. Eu quero que você repita esse mantra: concluído, não perfeito. Terminar algo é muito mais importante do que ter algo que está perfeito, mas não terminado. Uma das melhores formas de aprender como fazer algo é, na verdade, apenas ir e fazer. Se você quer desenhar quadrinhos, vá e desenhe um quadrinho. Se você quer ilustrar um livro, vá e ilustre um livro. Se você quer ser um artista conceitual nos nossos futuros filmes, comece a criar personagens e ambientes para um filme animado que você inventou. A ideia fundamental aí é que você só faz. E a parte mais importante é que você termina. Seu projeto concluído provavelmente não vai ser tão bom, mas não é isso que é importante. O importante é que você tem a habilidade de pegar uma ideia do começo até o fim. Se você está preocupado com a perfeição, se preocupe apenas em ser bom. Você vai odiar tudo o que fizer perfeitamente agora daqui um ano. Você não vai gostar porque evoluiu e ficou melhor. Então por que você deveria se estressar sobre ser perfeito agora se você sabe que vai, naturalmente, se tornar melhor no futuro? O mundo quer e precisa de pessoas que terminam coisas. Então, lembre-se que parte de se tornar um artista incrível é ter a habilidade de terminar algo.

Concluir algo é muito mais importante do que ter algo que é perfeito mas não está concluído. É difícil enfatizar o suficiente como isso é importante. Não importa se é uma peça teatral, um conto ou uma tese de conclusão de curso: negócios inacabados nos assombram à noite.

Todos nós somos autorizados a cometer erros, então não tenha medo de cometê-los! Você sempre pode recriarrefazer, redesenhar, reescrever e repetir. Pense em tudo que você deixa de concluir pela insatisfação de fazer algo imperfeito. Com certeza você está desperdiçando muitas oportunidades e crescimento.

Como você pode ver, no final essa postagem não ficou perfeita, mas foi concluída. E as próximas continuarão a ser lapidadas e postadas. Continuarão a ser concluídas, mas não perfeitas.

Agora que você desapegou da perfeição, está preparado para terminar o que começou! Pegue seus projetos e coloque a mão na massa, até terminar!

Se você não está preocupado com a perfeição, mas parece que não consegue se estruturar para concluir seus projetos, pode ser que essas 5 dicas te ajudem a organizar o seu dia!

avatar

Redação Hobbietown

Além de apresentar assuntos variados e ecléticos, também temos como objetivo instigar a curiosidade do habitante, incentivando a busca por informação e a motivação pela ação. Queremos que você se inspire e tenha acesso as ferramentas necessárias para lapidar e polir seus novos conhecimentos, a fim de que se envolva cada vez mais com atividades que lhe proporcionem alegria, satisfação e prazer. Bem-vindo a Hobbietown!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.